O genocídio das esperanças


Querem me convencer de que nunca foi tão fácil tomar decisões! Bastaria dobrar os joelhos às explicitações dadas em nome da Ciência. É como se a realidade subisse numa barrica e exclamasse: “Não percam meu tempo nem queimem seus neurônios, perguntem aos cientistas!”. Em tempos da Covid-19, esse brado cruza oceanos, percorre vales, sobe montanhas, desce rios, toma cafezinho na sala de espera, pede vaga nos gabinetes. Auguste Comte – quem diria? – renasceu na sala de redação.

Tenho lido que, com o avanço da pandemia, alguns casos graves obrigarão os médicos a fazer a escolha de Sofia, ou seja, a optar por uma entre duas soluções dramáticas, descartando idosos para preservar a vida dos mais jovens por falta de condições para hospitalização e cuidados. A ciência estaria a recomendar o isolamento horizontal como forma de diminuir a demanda sobre o sistema de saúde, “achatando a curva”, no ilustrado dizer dos peritos.

No entanto, Sofia fez há mais tempo suas escolhas. E note-se, escolhas festejadas por muitos que agora criticam a falta de imensos recursos desviados ou roubados. Refiro-me às obras supérfluas, como os vistosos coliseus da Copa do Mundo e à sangria a que a corrupção submeteu empresas estatais como a Petrobras; refiro-me ao custeio de privilégios e abusos e à aplicação de recursos públicos para financiar partidos e campanhas eleitorais. A cada ocasião dessas, Sofia fazia sua escolha de modo festivo e condenava muitos à morte nos corredores do Sistema ºUnico de Saúde (SUS).

Onde estavam, nessas horas, os que agora fazem perguntas espertas em entrevistas coletivas?

Qual o objetivo das medidas de segurança sanitária que vêm sendo adotadas no país? Respondo: evitar a expansão da contaminação, “achatar a curva” para descongestionar o atendimento, proteger a saúde de todos e preservar a vida de muitos. Ninguém duvida de que o isolamento horizontal, completo, absoluto, dá um para-te quieto no vírus. Que vá morrer de inanição, o desgraçado! É a escolha de muitas autoridades locais e regionais, subitamente investidas de um poder tirano. Alegando a proteção à vida e valendo-se do medo da população, obrigam todos a fechar a porta e passar a tranca. Há cidades onde quem botar o nariz na rua vai à força falar com o delegado.

Minha pouca ciência me diz que esse tipo de isolamento, dito lockout, não é possível. Para as pessoas ficarem em casa é indispensável que as regras de isolamento não valham para todos. Minha pouca ciência me diz que, mantida a situação atual por uns poucos meses, afundaremos na mais profunda e extensa recessão da história. Causaremos o genocídio das esperanças, dos postos de trabalho, dos famintos sem renda nem alimento que estaremos produzindo aos milhões. Prevenir essa situação também é conduta humana virtuosa.

A receita do ex-ministro Mandetta – foco, disciplina e ciência – tem, na ciência, um longo questionário de perguntas não respondidas. Ao dizer isso estou valorizando ainda mais o precioso, louvável e heroico trabalho desenvolvido pelos profissionais da Saúde, contando com as poucas armas que lhes são disponibilizadas, inclusive pela ciência. Com efeito, ao buscarmos respostas para perguntas essenciais sobre esse vírus, sobrevêm inquietantes incertezas. Qual a sua letalidade? A quantos ele já infectou? Quem já foi infectado pode voltar a padecer dele? Pode ele se tornar novamente ativo em uma mesma região? Em caso de retorno do vírus, a estratégia de combate será sempre a mesma? E uma perguntinha de fazer por telefone: dentre os medicamentos experimentados em países com grande número de pacientes, quais e com que dosagem respondem pelo maior número de bons resultados?

Tenho medo de que quando aparecerem com as respostas já seja tarde demais.

[ D 'Vox ]

___

Percival Puggina é membro da Academia Rio-Grandense de Letras, arquiteto, empresário, político e escritor, integrante do grupo Pensar+. Tem um blog pessoal: Puggina.org.

Términos del Servicio | Política de Privacidad

CR| opn: