Términos del Servicio | Política de Privacidad

CR| opn:

O Foro de São Paulo lança um 'plano de luta' e abraça a agenda de 'gênero'

 

Caracas tornou-se por quatro dias o centro hemisférico da esquerda. Todos os tons de vermelho se juntaram na XXV reunião do Foro de São Paulo (FSP) que aconteceu na capital venezuelana de 25 a 28 de julho.

 

[ Para leer este texto en español, de un 'clic' aquí ]

 

Participaram mais de 800 'militantes', integrando delegações de todos os países da América Latina. Houve também membros de organizações e partidos políticos de esquerda da África, Ásia e Europa.

 

Foram dias de trabalho. O programa da reunião esteve amplamente ocupado por reuniões setoriais com um único propósito: articular, articular, articular. E houve um parto: nasceu daí um "plano de luta". São palavras deles, não minhas.

 

É a primeira vez nos 29 anos de existência dessa plataforma continental, fundada por Fidel Castro e Luiz Inácio 'Lula' da Silva, em que a “declaração final” é chamada de “declaração final e plano de luta”.

 

E é também a primeira vez que a agenda 'gênero' entra nesse documento. Cuba e Venezuela cederam e a luta contra o "patriarcalismo e a discriminação baseada na orientação sexual ou de gênero" ganhou 'carta de cidadania' no Foro.

 

Retalhos... por enquanto

 

Esclareço: quando escrevo estas linhas, ainda não tenho o texto oficial da "declaração final e plano de luta" em minhas mãos.

 

O site oficial do Foro de São Paulo não está online desde a última sexta-feira, 26 de julho. Em outras palavras, "caiu" no meio do evento e não há explicação sobre o motivo. O documento deve ser publicado lá.

 

O texto também não foi divulgado nas redes sociais do FSP, nem em aquelas dos partidos ou organizações que o compõem, pelo menos não até o final deste domingo 28.

 

Então, como posso eu afirmar o que aqui escrevi?

 

A partir da leitura do programa oficial do encontro, de quase uma centena de "retalhos" de informação que alguns dos participantes divulgaram em suas redes sociais, e das 'notícias' fragmentadas publicadas por TeleSur e pelo Granma, órgãos oficiais das ditaduras venezuelana e cubana, respectivamente.

 

A declaração final deve ser divulgada nos próximos dias e podemos confrontá-la com o que descrevi.

 

Para defender a trincheira

 

 

O FSP está integrado por 109 organizações e partidos políticos de esquerda - desde "progressistas" até comunistas - de 26 países latino-americanos. Uma análise objetiva da situação atual dos membros nos seus respectivos países geraria um saldo negativo.

 

A única exceção seria México, já que o "companheiro" Manuel Andrés López Obrador governa desde dezembro do ano passado: Sua chegada ao poder foi apresentada no evento como "uma esperança para a região".

 

Os participantes do XXV encontro não se incomodaram nem um pouco com que o anfitrião deste ano foi um país com um regime ditatorial que está passando por uma profunda crise. Para dizer a verdade, no ano passado eles também não se importaram que quem os recebesse fosse outro regime ditatorial, o cubano.

 

No entanto, em 2018, Cuba anunciou que estava em um processo "esperançoso" de "reformas"; e agora, ninguem pode duvidar que Venezuela é um corpo ferido jogado no meio da praça: há violação aberta e sistemática dos direitos humanos, desmontagem das instituições democráticas, pilhagem.

 

Isso conta pouco. O que importa é apoiar aos "companheiros". A ordem parece ter sido: "Todos para a trincheira, para defendê-la". De fato, o presidente de Cuba, Miguel Díaz-Canel, disse em alto e bom som no discurso de encerramento: “A Venezuela é a nossa trincheira mais importante, a linha de frente na luta contra o imperialismo”. E  - sublinhou - não pode cair.

 

O cubano viajou para Caracas exclusivamente para a cerimônia de encerramento. Ao lado dele estava o narco-condicionador Nicolás Maduro. A atual situação política da esquerda na América Latina explica porque o principal objetivo do encontro foi a articulação.

 

Um programa de lutas

 

Pela primeira vez nos últimos anos, o encontro anual do FSP foi dominado por sessões de trabalho. O primeiro dia começou com um diálogo dos partidos políticos do Foro com as “plataformas, articulações e redes do movimento social e popular” na América Latina. O objetivo explícito: "Desenvolver um plano comum de luta".

 

Houve reuniões com o Partido da Esquerda Européia (PIE), bem como - separadamente - com partidos da África, da Ásia e do "mundo árabe".

 

Também sessões com os vários centros de estudos e escolas de formação política na região, e com "intelectuais e artistas", com jovens, mulheres, afrodescendentes e "povos nativos". Destaca que houve uma reunião com legisladores de esquerda de quatro continentes. A direção do Foro parece ter jogado um arpão para transitar do regional para o global.

 

O resultado? uma declaração final que, na realidade, é uma agenda de trabalho para os próximos 12 meses.

 

Veja: defender de forma irrestrita da "independência e soberania" da Venezuela e Cuba - leia-se, de suas narco-ditadura - para frear a tentativa de "invadir" o primeiro país e quebrar o o bloqueio econômico "genocida"  em torno ao segundo.

 

Apoiar aos governos de Evo Morales, para consolidar a "democracia" com sua reeleição, e Daniel Ortega, para neutralizar a tentativa de "golpe" que se opera contra ele.

 

Condenar e parar à "guerra judicial" lançada contra seus líderes, especialmente no Brasil - "¡Lula Libre!", piden - e na Colômbia - às FARC -, e exigir o pleno cumprimento dos “acordos de paz” firmados em La Habana entre a narco-guerrilha e o governo de Juan Manuel Santos. Os memos que foram rejeitados pela maioria dos colombianos em 2016.

 

Frear a "direita fascista que promove o ódio e o extermínio social" e o "imperialismo global" que impõe a lógica "criminosa" da "espoliação, saque e exploração de nossos territórios e comunidades". A imigração ilegal será defendida como um direito.

 

E, pela primeira vez, o documento foi “colorido” com a agenda de gênero: lutaram em conjunto contra o patriarcado e “qualquer forma de discriminação baseada em gênero ou orientação sexual”. Os antigos comunistas "homofóbicos" perderam a 'mão' desta vez.

 

Uma enorme plataforma de articulação

 

 

Se lhe parece que a 'declaração final e plano de luta' tem apenas um valor simbólico, vale a pena lembrar o que é o FSP:  a maior plataforma de esquerdas do continente.

 

Foi fundada em 1990 na cidade que lhe dá o nome pelo Partido dos Trabalhadores (PT), do Brasil, e pelo Partido Comunista de Cuba (PCC). Ou seja, por 'Lula' - tendo como eminência parda, o falecido Marco Aurélio García - e por Fidel Castro, com o propósito de unificar a agenda e a ação dos partidos políticos e organizações de esquerda na América Latina.

 

Nove anos depois, Hugo Chávez chegou ao poder e, consecutivamente, um a um, quase todos os países da região foram tingidos de vermelho. Os únicos países que "resistiram" à "onda vermelha" foram o México (com os governos do Partido da Ação Nacional) e a Colômbia (com as administrações de Álvaro Uribe).

 

Segundo 'Lula', a plataforma foi um elemento-chave para a expansão dos governos socialista e comunista na região ao longo de três décadas. Ele próprio chegou ao poder no Brasil em 2002 e os governos do PT só terminaram em 2016 com o impeachment de Dilma Rousseff.

 

Houve - dizem eles - uma "ofensiva contra-revolucionária" de 2014: eles perderam governos e alguns de seus líderes foram atrás das grades por corrupção, como o próprio 'Lula'. O Fórum assegura que seus líderes hoje são perseguidos por uma articulação global de direita ”.

 

Na sua fundação, e durante alguns anos quando a iniciativa operava em relativa discrição, um dos seus membros foram as FARC, que operavam plenamente na Colômbia organização narco-terrorista, e teceu laços estreitos com o PT e o PCC. Com a chegada das vitórias eleitorais, especialmente as do PT no Brasil e a divulgação pública da existência do Foro, as FARC 'deixaram' a entidade em 2005.

 

Para alguns críticos da organização, como Filipe G. Martins, assessor para assuntos internacionais do presidente Jair Bolsonaro, o Foro mais do que uma plataforma política é uma organização criminosa por suas ligações com o narcotráfico e o terrorismo da região, que funcionava - e continua articulando - para converter a região num bloco socialista.

 

E embora "maltratado" pela recente "onda conservadora", ou melhor, "não-esquerdista"... é evidente que o Foro não está morto.

 

[ Este texto fue publicado en español por Actuall, léalo aquí ]

 

[ D'Vox ]

 

Please reload

Anacleto: el hombre que enfrentó una...

Roubaram-nos a Federação

1/15
Please reload