Ministerio Público pede apurar crime contra o sentimento religioso em 'coroação de nossa senhora dos travestis'

20.07.2019

 

O Ministerio Público de Minas Gerais solicitou esta sexta-feira, 19 de julho, que a polícia investigue por crimes contra o sentimento religioso a Academia TransLiterária, autora da 'performance' blasfema 'Coroação de nossa senhora dos Travestis'.

 

O grupo, integrado por militantes LGBT, iria apresentar a 'peça' numa praça pública no sábado, 20 de julho, no marco da Virada Cultural, evento promovido e financiado pelo governo municipal de Belo Horizonte. Devido a uma forte pressão dos católicos, e dos cristãos em geral, a 'coroação' foi cancelada pelo prefeito Alexandre Kalil, na véspera de sua realização.

 

O ato já tinha sido apresentado durante o Festival Internacional de Teatro em 2018. Alguns minutos podem ser vistos aqui.

 

Depois de ter analisado a gravação, o procurador Marcio Luis Chila Freyesleben, autor da representação, concluiu que "a 'performance' ofende e fere a fé de milhões de brasileiros e incorre em crime tipificado no artigo 208 de nosso Código Penal, que pune o fato de vilipendiar publicamente ato ou objeto de culto religioso. [...] Comete o crime tanto quem faz a apresentação quanto quem conscientemente a financia".

 

O documento salienta que: "de acordo com o último censo oficial, de 2010, 60% da população de Belo Horizonte é católica e 25% evangélica, ao todo 85% são cristãos. Cuida-se, portanto, de ato que, pretensamente artístico, visa a escarnecer do povo cristão católico e a vilipendiar culto religioso, pois a coroação de Nossa Senhora é um ato de piedade profundamente querido e respeitado no Brasil, e especialmente entre o povo mineiro".

 

Como o autodenominado 'coletivo de artistas' já promoveu em passado recente e continuará a promover "a mesmíssima 'performance', caso não seja sofreado à mão tenente, em grave violação da Lei Penal", o Procurador de Justiça solicitou à polícia "a adoção das medidas necessárias à apuração das atividades ilícitas da Academia TransLiterária, particularmente em relação ao evento denominado 'Coroação de nossa senhora dos Travestis', para a identificação e responsabilização de seus autores, nos termos do artigo 208 do Código Penal".

 

A representação completa do procurador Chila pode ser lida aqui.

 

Um dos fundadores da Academia TransLiterária é Eduardo 'Dudu' Salabert, um professor de literatura em escolas privadas de Belo Horizonte, que já foi candidato ao Senado da República pelo Partido Socialismo e Liberdade (PSOL) nas eleições de 2018.

 

Não é Maria, dizem agora

 

Depois da 'performance' ter sido cancelada pelo prefeito e do procurador ter entregado a representação à polícia, a Academia TrasLiterária publicou, no seu perfil de Facebook, uma nota onde afirmam ser vítimas de censura, argumentam que em nenhum momento desrespeitam a fé católica e que na 'coroação' não há referência alguma a Maria.

 

"Assim surge a 'coroação de nossa senhora das Travestis: [...] na preparação de outra performance, em que nossa amiga e integrante do coletivo, Nickary Aycker, jogou a bandeira Trans sobre o corpo e colocou na cabeça uma coroa de flores. Parecia uma entidade sagrada e daí, a partir dessa visão em todo o seu brilho, vimos uma espécie de culto a todas as travestis, do nosso coletivo e fora dele, como forma de celebração da vida".

 

"Se a referência de base são alguns símbolos religiosos, por outro lado não se trata de substituir nenhum deles por essa nossa imagem. Menos ainda trata-se de negar a fé alheia. Não é a Senhora Mãe de Jesus aqui, mas uma Outra Senhora, a nossa travesti".

 

" [...] Há aqui apenas um aspecto religioso no encontro com todos em volta de nós: a ideia de religar as pessoas, de coração aberto e na alegria", afirma o texto.

 

Você pode ler a nota completa aqui.

 

A mesma narrativa foi reforçada pela vereadora Cida Falabella, do PSOL, a qual afirmou, em artigo, que a rejeição à 'performance' partia de terem sido espalhado 'fake news' por setores da 'fundamentalistas'. Ela confessa que viu a 'performance' e se emocionou. 

 

O que acontece na 'performance' é diferente ao dito pelo coletivo e pela vereadora: um homem que se apresenta como mulher é 'venerado' como se fosse a mãe de Jesus Cristo em meio a cantos cristãos com letra alterada: "trave, trave, travesti Maria, trave, trave, travesti rainha", deformando o hino religioso 'A Treze de Maio'. A referencia é explicita.

 

No homem se coloca um manto no corpo, com as cores da bandeira 'transgênero', reproduzindo de forma alterada a iconografia e a estética mariana; e também uma coroa na cabeça, tal como nas cerimônias que se realizam especialmente em maio e outubro em milhares de paróquias do país.

 

Logo, se faz uma espécie de oração-ladainha para pedir sua 'proteção', usando gírias da 'comunidade LGBT', e algumas chegam ser ofensivas:

 

"Nossa Senhora das Travestis, cubra-nos com seu oxó sagrado! Passe o lacre contra todo atraque que possa vir de qualquer marvã. Que eu tenha força pra grudar naqueles que fazem a uó. Aquenda em seus braços meus sonhos para que meu close seja certo. Que nenhuma mapoa ou ocó me olhe torto nas ruas. Dai-me a sabedoria da fechação;  que eu, com as beasi abertas, me aquende em seu santo colo. Disa com qualquer curriola e cuida de mim, pois, como filha, sei que nasci daí. Vráaaa!"

 

Oxó, por exemplo, é um feiticeiro masculino no candomblé mas também é uma palavra usada entre homossexuais e travestis para referirem-se a preservativo ou 'camisinha'.

 

Um comunicado oficial da Arquidiocese de Belo Horizonte, publicado na manhã da sexta-feira 19, antes do cancelamento, registra que para a comunidade católica aquele ato é gravemente ofensivo: "não é admissível instrumentalizar Nossa Senhora, desrespeitando-a, para se promover um evento que se diz cultural, mas, na verdade, configura-se em agressão à fé cristã católica. Não se cultiva tolerância a partir do desrespeito". Trata-se - diz o texto - de um "ato abominável contra a fé cristã católica".

 

[ D'Vox ]

 

Please reload

Quando o remédio vira veneno

Gobierno y partido oficial hacia el...

1/15
Please reload

Términos del Servicio | Política de Privacidad

CR| opn: